terça-feira, 13 de março de 2007

Ciberespaço: hein?

Dentre todos os assuntos já postados neste blog, sem dúvida esse é o mais polêmico e complexo. Para se ter uma idéia, a discussão a respeito dele na sala de aula, começou muito “internética”, de horizontes fechados e acabou em um caminho totalmente filosófico que, cá pra nós, não clareou os pensamentos quase nada. Mas, como a informação é ferramenta, vou tentar ao máximo explicar os mistérios por traz desse termo.
O ciberespaço é um entrelaçamento de meios de informática e telecomunicações, digitais e analógicos que se associam em terminais de informação. Mas veja bem, você pode se perguntar se somente a internet está inserida nesse ciberespaço: errado. A internet até agora é uma das maiores representantes do ciberespaço, porém ele não depende de redes para existir. Por exemplo, o telefone possibilita uma troca de informações entre as pessoas e já existe muito antes do advento da internet.
O mais interessante do ciberespaço são as quebras de barreiras, porque é como se todo o mundo morasse aqui em Minas Gerais; não há fronteira geográfica que segure a informação. Você pode se comunicar com as pessoas sem ter como pré-requisito a proximidade física; não há barreiras de tempo e espaço.
Você já ouviu falar em um conceito chamado
Aldeia Global? Nesse conceito era proposta uma quebra de barreiras em todos os sentidos aproximando todo o mundo como numa pequenina aldeia, como o exemplo já citado. Esse é um conceito que ajuda muito no entendimento do ciberespaço.
Assim como no livro
Neuromancer, que deu origem ao termo ciberespaço (em que o universo de redes digitais recebia esse nome), existem hackers especializados em invadir sistemas, em busca de informações mantidas a sete chaves.
No ciberespaço, essa quebra de barreiras acontece trazendo várias novas dicussões entre virtual, possível, real, atual, etc. É aí onde as coisas se complicam... Desde que ouvimos quando crianças a palavra virtual ("que - ao contrário do que se acredita - não se opõe ao real e sim demostra aquilo que é potencial" [NUNES, 2000]) . Então se você ainda acredita que o virtual é tudo que não é real, sinônimo de ilusão e imaginação, está errado. O virtual está mais para complemento do real do que o contrário. Por exemplo, uma informação é uma virtualização, pois está em potencial para nós, que ao recebê-la a atualizamos conferindo-a um sentido. Um pensamento é virtual, um sentimento, uma ansiedade, pois todos são reais porém existem em potencial, não são tangíveis.
Se você ainda não conseguiu entender essas questões, faça como eu, leia. Estes links podem te ajudar.

Subjetividade virtual
A internet e o ciberespaço (texto em cache)
William Gibson e o ciberespaço
Intercâmbio de idéias no ciberespaço
O ciberespaço
Referências:
Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. Barsa Consultoria Editorial Ltda. – 17ª. ed. – São Paulo: Gráfica Melhoramentos S.A., 2000.
Fórum de Gestão do DEI. Glossário [A..E]. Disponível em: <
http://eden.dei.uc.pt/gestao/forum/glossario/>. Acesso em: 12, mar. 2007.
NUNES, Fábio Oliveira. O ciberespaço e a virtualidade. Universia Brasil. Disponível em: <
http://www.universia.com.br/html/materia/materia_fgfc.html>. Acesso em: 12, mar. 2007. Wikipédia, a enciclopédia livre. Ciberespaço. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciberespa%C3%A7o>. Acesso em: 12, mar. 2007.

3 comentários:

Fabiana disse...

oii simone,
assunto delicado esse de ciberespaço né?
mas vejo que você soube explicá-lo muito bem!parabéns...
seu texto está muito bom!
beijos.

Tatiana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tatiana disse...

Oi Simone, percebi que você pesquisa bastante sobre os assuntos,
isso é bom pra esclarecer estes termos tão complexos né?
abraços